segunda-feira, 28 de setembro de 2020

[Viajando na História] O mês de Setembro na História

Alguns meses atrás comecei a postar sobre algumas datas históricas e monumentos lá no Instagram e  mensalmente estou fazendo um resumo aqui no blog, que continuo com este post de hoje: acontecimentos e pontos turísticos relacionados ao mês de Setembro ao longo dos anos! História sempre foi a minha matéria preferida na escola e não é à toa que destinos históricos sempre estão entre os meus preferidos. Para qualquer lugar que eu vá, eu pesquiso sobre a História do local/país antes e durante a viagem. Acredito que não faz nenhum sentido você se deslocar até o outro lado do mundo para tirar uma selfie na frente de um monumento sem ter a mínima ideia do porquê aquele se tornou um monumento importante/famoso, por exemplo.



[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Grande Incêndio de Londres
Grande Incêndio de Londres - autor desconhecido - domínio público



Fora que dá um outro sabor para as viagens quando você entende de onde vieram os nomes das ruas/praças/bairros/estações de metrô etc (por exemplo Avenida 9 de Julho em São Paulo ou estação de metrô Oranienburger Tor em Berlim). É muito mais gostoso ir embora de um lugar entendendo o que viu ao invés de simplesmente ter passado para cumprir tabela ou riscar da listinha de "obrigações".


[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Nova Amsterdã passa dos holandeses para os ingleses e se torna Nova York
Mapa da antiga Nova Amsterdã, que passou a se chamar Nova York no final do século XVII. Ali na direita dá para ver bem a muralha, que deu o nome à rua Wall Street!



Pensando em explorar mais esse aspecto das viagens aqui no blog, inventei a #ViajandonaHistoria lá no Instagram no blog e desde abril/2020 estou postando sobre diversos momentos históricos e locais que se tornaram pontos turísticos. Mensalmente vou trazer essas informações para o blog, mas é claro que estes posts não tem a intenção de ser algo definitivo sobre o tema - são milhares de acontecimentos importantes todos os dias pelo mundo e vou focar naqueles que acho mais relevantes no geral e somente nos destinos que já são tratados aqui no blog. Em setembro, falamos de San MarinoLondres, Segunda Guerra Mundial na Polônia, Ouro Preto, Nova York e Berlim.


Aqui no blog já são dezenas de posts aprofundando sobre diversos aspectos históricos dos destinos por onde passei!



Início Segunda Guerra Mundial



Quando cheguei em Gdansk, no norte da Polônia, descobri que foi ali que tinha se iniciado a Segunda Guerra Mundial. Após a Primeira Guerra Mundial, Gdansk era uma cidade livre disputada entre alemães e poloneses. No dia 01 de setembro de 1939, a Alemanha de Hitler atacou o prédio do correio em Gdansk (onde trabalhavam alguns oficiais poloneses, que resistiram por horas) e também a base militar de trânsito polonesa na península de Westerplatte, dando início à Segunda Guerra. A Batalha de Westerplatte durou até o dia 7 de setembro. A maior guerra até hoje durou de 1939 a 1945, matando cerca de 50 milhões de pessoas, sendo que a Polônia foi um dos países mais afetados, uma vez que estava no centro do conflito situada entre a Alemanha e a União Soviética.


Existem memoriais nos 2 locais e conheci o do prédio do correio (que tem um pequeno museu) em um walking tour pela cidade (📷 de 1 a 6). Acabei não indo até Westerplatte, onde fica o memorial maior (📷 7) porque é um pouco fora de mão e os 3 dias q planejei na cidade foram pouco tempo (mas também existem tours específicos do local). Recentemente foi construído um super museu em Gdansk sobre a guerra mais marcante de todas - 📷 de 8 a 10. Este museu é o único que retrata somente a Segunda Guerra no mundo e foi inaugurado em 2017 - está tinindo de novo e imperdível! Fiquei cerca de 3h30 correndo em algumas partes porque tinha acabado de visitar o campo de concentração de Auschwitz e pulei as salas sobre o assunto, ou seja, você pode tranquilamente planejar 5h do seu dia aqui. A cidade foi uma ótima surpresa! Não é à toa que a região de Gdansk é um destino super popular entre os poloneses.





Leia aqui todos os posts sobre Gdansk e sobre a Polônia no blog!


Grande Incêndio de Londres



Na madrugada de 2 de setembro de 1666 uma padaria no centro de Londres deu início a um incêndio, que acabou conhecido como o "Grande Incêndio de Londres", destruindo boa parte do antigo centro da cidade. As casas de madeira e as ruas estreitas (assim como o tempo seco e ventos acima do normal) facilitaram a propagação do incêndio, que destruiu até o dia 5 d setembro mais de 13.200 casas e 88 igrejas, incluindo a antiga Catedral de St Paul, além de partes da biblioteca do Sion College, o palácio Bridewell, três cadeias, os portões Ludgate, Aldersgate e Newgate e o centro financeiro. Estima-se que o incêndio afetou cerca de 70 mil habitantes e o prejuízo seria equivalente hoje a um bilhão e 100 milhões de libras. Christopher Wren foi responsável pela reconstrução da Catedral (terminada em 1711) e também pelo monumento ao incêndio. É possível subir no The Monument com 62m de altura - são 311 degraus para ter uma boa vista panorâmica - ele fica exatamente a 62m d distância da padaria na Pudding Lane.



[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Grande Incêndio de Londres


Oficialmente foram poucas mortes (menos de 10), mas muito provavelmente morreu mais gente, só que antigamente registros de nascimento e de óbitos eram caros/difíceis e muita gente não tinha. Depois do incêndio, as casas em Londres deixaram de ser construídas em madeira e deu-se prioridade para edifícios de pedras e tijolos mais afastados uns dos outros e ruas mais largas. Na época, a cidade não contava com um corpo de bombeiros organizado.

Adorei conhecer o Museu de Londres (Museum of London) justamente por conta da área q contava sobre o Grande Incêndio e recomendo demais a visita (recomendo sempre visitar o museu de História da cidade de qualquer jeito, mas esse é um dos melhores sobre o tema que já fui e olha que sou rata de museus).


[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Grande Incêndio de Londres
Legenda do mapa - preto: antiga muralha medieval q cercava “The City”, a Londres original, Pudding Lane: rua em que o fogo começou, em rosa: área afetada pelo incêndio, em azul: edifícios importantes da cidade.

Os quadros mostrando o incêndio são de artistas desconhecidos e domínio público. O quadro de Christopher Wren é de Godfrey Kneller (domínio público também).









Leia aqui todos os posts sobre Londres no blog!

Fundação de San Marino



San Marino tem origem com um refugiado da região da Dalmácia, que primeiramente se estabeleceu em Rimini (cidade italiana próxima). Para fugir das perseguições que o Imperador Diocleciano infligia, o diácono Marino (mais tarde ele se tornou o santo que deu nome ao país) constituiu uma pequena comunidade na área mais protegida do Monte Titano. A data da fundação é 3 de setembro de 301 dC e San Marino é considerada a República mais antiga da EuropaO primeiro documento histórico é datado de 885 e se refere a uma disputa de território. Os primeiros estatutos datam de 1253 e ainda hoje, com as devidas modificações, constituem a legislação de San Marino. o território de 61 km quadrados foi determinado em 1463, após alianças políticas. Napoleão reconheceu a soberania de San Marino em 1797 e o Congresso de Viena também. Em 1943, San Marino acolheu cerca de cem mil refugiados da Segunda Guerra. San Marino tem uma das maiores rendas per capita da Europa e o turismo é a principal fonte de renda do país

O brasão na bandeira representa um escudo com três picos do Monte Titano e uma torre em cada um deles (as 3 famosas torres de San Marino). A coroa no topo é o símbolo da soberania do país. O país San Marino está dividido em algumas cidades, sendo que a parte mais famosa que você vê em fotos por aí é a capital, também chamada San Marino ou Città di San Marino, que foi só o que conheci fazendo um bate-volta (saindo de Bolonha - Itália, onde estava hospedada). Os centros históricos de San Marino e Borgo Maggiore, além do Monte Titano, foram inseridos na lista de Patrimônios da Humanidade da UNESCO em 2008. Por muitos anos, foi disputado o Grande Prêmio de San Marino na cidade próxima de Ímola e foi lá que se acidentaram Roland Ratzenberger e Ayrton Senna em 1994 :(. Como o país está cercado pela Itália, a moeda é o euro. San Marino cunha moedas somente para coleção. A população em 2013 era de 32.471 pessoas, sendo aproximadamente 5 mil na capital.

Apesar da chuva e vento que peguei que atrapalhou bastante, achei que valeu a pena conhecer porque o lugar é bem fofo e por toda a curiosidade de conhecer um micro país! Sempre fui fascinada por todos os países da Europa, mas achava muito exótico alguns países tão pequeninhos que são menores do que algumas cidades!





Leia aqui todos os posts sobre San Marino no blog!


Centro antigo de Varsóvia declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO


Em setembro de 2020 está fazendo 40 anos que o centro histórico de Varsóvia recebeu o título de patrimônio mundial da UNESCO. Varsóvia já passou por várias transformações e nem sempre foi a capital da Polônia (aliás o país também já teve diversas configurações diferentes do que o que conhecemos hoje). Mas a maior e mais significativa mudança foi a destruição e reconstrução no pós-guerra.   

O centro antigo (ou Stare Miasto) é do século XIII, mas só se tornou a capital do país na segunda metade do século XVI, quando o rei polonês transferiu a capital de Cracóvia para lá. Foi ocupada pelos suecos e pelos russos e até Napoleão Bonaparte nos séculos seguintes. A população em 1939 era mais ou menos 1.290.000 habitantes e a cidade era chamada até de "Paris do leste".  A 2aGM começou justamente com a invasão da Polônia em set/1939 e a capital foi ocupada no mesmo mês. Cerca de 35% dos quase 1,3 milhão de habitantes de Varsóvia eram judeus e cerca de 450 mil deles foram obrigados a viver em um gueto murado na capital, ocupando somente cerca de 2,4% do território da cidade. O Levante do Gueto de Varsóvia foi um ato de resistência no Gueto de Varsóvia, na Polônia em 1943, contra a ocupação nazista alemã. Naquele ponto, os judeus que ainda restavam no gueto já sabiam que os que saíam, não voltavam mais e preferiam morrer lutando, ao invés de morrer em uma câmara de gás. Foram massacrados pelo exército alemão, muito mais armado e maior. O bairro judeu foi completamente arrasado. Cerca de um ano depois, os poloneses se revoltaram contra os alemães em um episódio conhecido como "Levante de Varsóvia" (não confundir com o anterior!). Eles não queriam cair nas mãos dos russos, que estavam do outro lado do rio e depois de mais de 60 dias de luta, também foram derrotados pelos alemães, que em retaliação, destruíram mais ainda a cidade. Ao final da guerra em 1945, cerca de 85% de Varsóvia tinha sido arrasada. 


 
[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Centro antigo de Varsóvia declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO
Praça do mercado na parte antiga de Varsóvia em 1944/1945

[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Centro antigo de Varsóvia declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO
Praça do mercado na parte antiga de Varsóvia em 1944/1945

[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Centro antigo de Varsóvia declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO
Área do gueto de Varsóvia após a guerra


Após a guerra, os soviéticos dominaram a Polônia por décadas e até pensou-se em não reconstruir Varsóvia. Mas havia o fator humano - os poloneses já estavam voltando para reconstruir e morar na sua capital. Foi decidido ainda em 1945 que o centro antigo seria reconstruído igual era antigamente. 
Só 6 de 260 casas na região da cidade antiga sobreviveram, mas a reconstrução foi tão meticulosa que até hoje percebemos uma atmosfera medieval ali. A UNESCO considerou que a reconstrução do patrimônio foi em escala única e uma expressão da unidade dos poloneses e determinação de uma nação.

Varsóvia também é chamada de cidade-fênix (que renasceu das cinzas). A população, com a ajuda de fundos privados, reconstruiu a cidade em 8 anos a partir de 1945, utilizou-se de pinturas do italiano Bernardo Bellotto para basear as reconstruções. Suas pinturas não eram 100% precisas, mas muitas vezes era a única maneira de saber como os prédios eram no passado. A parte tombada como patrimônio pela UNESCO é a região do antigo mercado, o circuito das muralhas com o Barbican, o Castelo Real de Varsóvia, a Coluna de Sigismundo, prédios religiosos da área (como a catedral) e casas que serviam como moradia e lojas na área da Stare Miasto. O processo de reconstrução continuou até o meio dos anos 60 e foi considerado terminado com a abertura do Castelo Real para o público em 1984. O layout urbano e desenho das ruas foi mantido na área. Hoje Varsóvia está chegando em 1,725 milhões de habitantes e felizmente não foi varrida da face da terra como queria Hitler.






Nova Amsterdã passa dos holandeses para os ingleses e se torna Nova York



Nova Amsterdã (Nieuw Amsterdam, em holandês) era o nome dado à capital da colônia da Nova Holanda, estabelecida na região do vale do rio Hudson de 1609 até 1664 e que é o núcleo original da atual cidade de Nova York - em posição estratégica para defender o comércio de peles na região.  O local não era uma colônia do governo, mas sim um entreposto da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais (WIC, na sigla original em holandês).  Em 1626, o governador dos Novos Países Baixos, Peter Minuit, comprou dos nativos algonquianos o terreno da ilha de Manhattan, pagando com produtos cujo valor equivale hoje a 24 dólares americanos. Judeus de origem portugueses chegaram em 7/setembro/1654, fugindo da Inquisição na cidade de Recife. Das 16 naus que partiram às pressas do Brasil, uma delas chegou a Nova Amsterdã, transportando 23 judeus, que deram origem à vasta e rica comunidade judaica de Nova York.  Em 1664, a força naval inglesa entrou na baía de Nova York, enfrentando mínima resistência dos habitantes da cidade, que eram em maior parte de outras origens. Os ingleses renomearam a cidade de New York, em homenagem a Jaime, Duque de York na época. Em 1673, os holandeses recuperaram novamente a cidade e o renomearam de New Orange, mas 1 ano depois, em 1674, cederam definitivamente a cidade aos ingleses (bem como toda a região de Novos Países Baixos). A WIC aceitou receber em troca o atual Suriname, onde poderiam ser cultivados produtos mais lucrativos. O Tratado de Westminster com estes acordos foi assinado em 8/setembro.


[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Nova Amsterdã passa dos holandeses para os ingleses e se torna Nova York


Esse é um super resumo do resumo do início da História de Nova York, uma das cidades que mais amo no mundo! Comprei um super livro cheio de imagens antigas e mapas também na lojinha de algum museu quando visitei a cidade em 2012 - "The Historical Atlas of New York City" (escrevi sobre ele aqui).

📷 2 -Nova Amsterdã em 1664  - de Johannes Vingboons
📷 4 - "The Fall of New Amsterdam" - de Jean Leon Gerome Ferris. Peter Stuyvesant com a perna de madeira em 1664 com moradores que não queriam lutar contra os ingleses
📷 3 - Desenho de 1909 da compra de Manhattan
📷 9 - Macy´s original!
📷 6 - mapa que mostra NY com a muralha que deu nome à Wall Street!







Leia aqui todos os posts no blog sobre Nova York!

Ouro Preto declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO



Em 2020, completa-se 40 anos da declaração de Ouro Preto como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO (5 de setembro de 1980 - o primeiro Patrimônio Mundial no Brasil), reconhecendo a importância da cidade na história do Brasil e do mundo (afinal, grande parte do ouro retirado das minas da região está hoje na Europa, principalmente em Portugal e Inglaterra e serviram para enriquecer outros países que não o Brasil). A cidade já tinha sido declarada patrimônio pelo Iphan em 1938.  A antiga Vila Rica foi reconhecida pela UNESCO por sua excepcionalidade e originalidade e chegou a receber o título de Cidade Imperial por D. Pedro I. Além do ciclo do ouro, que mudou o eixo econômico do país do Nordeste para o Sudeste no século XVIII, Ouro Preto e região também é berço  de significativas obras do barroco brasileiro e da Inconfidência Mineira. Hoje, Ouro Preto e outras cidades da antiga Estrada Real (que escoava a produção de ouro e outros metais e pedras preciosas) é um sucesso entre turistas e uma das principais demandas atuais é a regularização de museus, igrejas e casarios às normas de prevenção à incêndios, para se evitar tragédias como a do Museu Nacional do Rio.

Visitei a cidade em um feriado com amigos da faculdade (em 2001), em um bate-volta saindo de Belo Horizonte (em 2004)  e depois durante uma roadtrip com meus pais por várias cidades mineiras e escolhemos Ouro Preto como uma das nossas cidades-base para fazer vários passeios em 2011. Já está na hora de voltar!





Fim da ponte aérea de Berlim



No dia 30 setembro de 1949, termina a "Ponte Aérea de Berlim" (Luftbrücke), tendo realizado 227.264 voos que levaram mais de 2 milhões de toneladas de produtos essenciais à população de Berlim Ocidental, bloqueada pelos soviéticos. A Luftbrücke foi um episódio da Guerra Fria, quando as fronteiras terrestres para a Berlim ocidental foram fechadas pelo governo da Alemanha Oriental e só restaram as vias aéreas para abastecer a população da cidade com carvão para o aquecimento, comida, insumos de produção, medicamentos etc. Os aeroportos Tempelhof (sob domínio americano) e Gatow (sob domínio britânico) não estavam dando conta da necessidade e em 90 dias, foi construído o aeroporto Tegel (sob domínio francês). Os aviões pousavam a cada 2-3 minutos e a operação era milimetricamente controlada! O aeroporto Tegel é o principal da cidade até esse ano - o novíssimo aeroporto Berlin-Brandenburg será inaugurado em outubro/2020.


[Viajando na História] O mês de Setembro na História - Fim da ponte aérea de Berlim


Já o aeroporto Tempelhof, presenciou diversos momentos históricos da cidade (e do mundo). Em 1923, a área do Tempelhof foi oficialmente considerada um aeroporto, mas já haviam acontecido ali demonstrações de voo anteriormente. Em 1926, foi fundada a companhia aérea alemã Lufthansa, que estabeleceu a sua base ali. O prédio que conhecemos hoje foi construído durante o período nazista e sua arquitetura preserva até hoje traços do gosto de Hitler. Durante a Segunda Guerra, serviu como oficina de aeronaves e abrigo. Nos anos 60, o aeroporto atingiu seu ápice comercial, mas depois da reunificação da Alemanha em 1990, foi apresentando prejuízos. Em 2008, extremamente pequeno para uma capital europeia populosa e sem chances de crescimento devido à cidade ao seu redor, o aeroporto foi desativado. Hoje o Tempelhof abriga centenas de refugiados (em alojamentos em parte do terreno) e até já virou cenário de filme ("Jogos Vorazes" e "Supremacia Bourne", por exemplo). Algumas partes do aeroporto não chegaram a ser terminadas - por exemplo as escadarias que levam até o teto, que Hitler queria que se tornasse uma espécie de arquibancada para a população observar desfiles e apresentações militares no campo do Tempelhof.  A torre ainda é usada para controlar o tráfego aéreo na cidade. Grande parte da sua área transformada em um parque aberto para a população local, onde é possível fazer churrasco, andar de skate, patins e bicicleta, empinar pipas e praticar outros esportes. Ele também abriga diversos eventos: de Lollapalooza a lançamentos de produtos, de fashion shows a corridas de Fórmula E. Além disso, é possível fazer um tour guiado pelo prédio principal, cheio de detalhes da arquitetura monumental nazista, como contei neste post!






Fontes: Revistas Aventuras na História, wikipedia, posts do blog, artigo 1artigo 2artigo 3artigo 4. Fotos antigas quando não especificadas são de domínio público.


[Viajando na História] O mês de Setembro na História





Você sabia que pode reservar hotelalugar carro, garantir seguro viagem com descontopesquisar passagens aéreas, comprar chip de internet para usar no exterior, conseguir ingressos para atrações no Brasil e no mundo todo, além de guias de diversas cidades e países pelos links aqui do blog? Você não gasta nenhum centavo a mais e o blog ganha uma pequena comissão! Obrigada!

12 comentários:

  1. Menina, você é praticamente uma enciclopédia :)
    Quantas curiosidades aconteceram em setembro! Será que tem alguma coisa relacionadas com os plantes? :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha nunca parei pra pensar nisso. Mas claro que não sei essas coisas de cabeça rs Antes do mês começar eu procuro no google quais os acontecimentos mais marcantes de cada mês e aí pesquiso mais a fundo os q tem a ver com os destinos aqui do blog hehehe

      Excluir
  2. Muito bacana a ideia de fazer esta série! Muita informação e esclarecimentos de qualidade! Parabéns, Fer!!

    ResponderExcluir
  3. Ameeei essa ideia do viajando na história! Que riqueza que está esse post! Viajar conhecendo mais da história dá uma outra alegria e nos permite conhecer muito mais! Nem sabia que NY já foi Nova Amsterdam!

    ResponderExcluir
  4. Tb acho e justamente por isso resolvi escrever sobre esses assuntos! Afinal, já gastamos muuito em uma viagem. Bora viajar entendendo o que vemos, né?

    ResponderExcluir
  5. que legal essa ideia de post, muito interessante associar o mes a lugares turísticos. acho que poucas cidades na Europa não tiveram incêndios né, não é a toa que hoje cuidam muito e tem vários métodos de prevenção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Infelizmente o pessoal só pensa nisso depois de tragédias...

      Excluir
  6. Quantos acontecimentos grandes no mês de Setembro na História. Muito legal seu artigo.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, quantos acontecimentos importantes aconteceram no mês de setembro heim?! Gostei de saber sobre nossa bela cidade de Ouro Preto ser declarada Patrimônio da Humanidade

    ResponderExcluir

Todos os comentários no "Tá indo para onde?" passam por moderação e por isso não aparecem de imediato. Ele só vai aparecer quando for respondido. Em geral, os comentários são respondidos quinzenalmente.